segunda-feira, 26 de maio de 2014

OS ADVENTISTAS QUE RESUMEM CRIMINOSAMENTE A GRAÇA


O mais destacado entre seus pares. Desde 2006, tive contato com a obra de um aclamado escritor evangélico. Sua tônica: falar poética e contundentemente sobre a graça divina. A decepção maior veio ao ler sobre a vida do autor em sua autobiografia: um alcoólatra, que definha por reincidência no vício, o mesmo que lhe causou o divórcio. Por mais que ele enfatize a graça em seus best sellers, sua vida pessoal é um eloquente testemunho de desgraça.
Gostaria que isso constituísse exceção entre os evangélicos pensantes, ou mesmo entre os adventistas. Não é. Definir a graça como eterno perdão leva a abonar o pecado na maioria dos casos. A graça que salva do pecado não apenas limpa o passado (justificação), como também propicia condições para uma vida vitoriosa (santificação). Sem essa segunda atuação da graça, é impossível a experiência futura da vitória definitiva (glorificação).  
A teologia evangélica, reducionista, dissocia graça de estilo de vida. Faz parecer que, não importa o que faça ou diga, a graça me salva sem implicar em uma transformação do caráter, a não ser em termos bem gerais, como honestidade, por exemplo. Assim, assuntos como vestuário, reforma de saúde, estilo de adoração, separação de práticas mundanas recebe um chute de Tostão e fica simplesmente fora do âmbito da discussão.
Estou bem consciente de que serei mal interpretado. Afinal, o analfabetismo funcional é o menor dos meus problemas, quando já há um quadro de analfabetismo bíblico muito mais agravante… Porém, em respeito aos leitores inteligentes e com a mente analítica, deixe-me tentar desenvolver o que disse.
Sempre seremos essencialmente pecadores ao viver nesse planeta. Mas podemos ser pecadores regenerados, experimentando a transformação diária, renovando a mente pela palavra de Deus. A espiritualidade adventista não compartilha da mesma base da visão evangélica. Entendemos o evangelho como uma mensagem equilibrada, centrada em Jesus, Aquele que encarnou, morreu, ressuscitou e ascendeu ao céu, de onde intercede por nós em Seu santuário. Salvação é obra que depende de um Salvador Todo Suficiente.
Se eu tivesse um saco de cimento com 50 kg para carregar e o campeão mundial de levantamento de pesos estivesse por perto, a atitude mais inteligente seria me afastar para ele fazer o que sabe. Minha melhor ajuda seria não atrapalhar! Cooperar com o plano de salvação se traduz por colocar a vontade nas mãos de Deus, não usar meu esforço pessoal para realizar sozinho o que Deus pede. A luta com a vontade pecaminosa só poderá ser vencida pela atuação de Deus em mim por meio do Espírito e mediante o poder que há nas Escrituras.
Como entender a graça no contexto da visão adventista de salvação? A graça se relaciona ao plano de Deus em reproduzir Seu caráter em nós. Não se resume ao modo como Ele lida com os pecados que cometemos, mas inclui também o modo como Deus me leva a tomar decisões práticas, a ser obediente em todas as áreas. Quem confunde obediência com legalismo deveria, no mínimo, repensar seu adventismo e se perguntar se as distorções evangélicas não têm afetado sua compreensão da própria salvação. Temo que muitos se choquem tanto ao ler sobre isso porque sempre pensaram como evangélicos, sem terem sido ensinados a pensarem como adventistas. Trágico assim.

Espero que o Espírito de Deus abra o entendimento daqueles que estudam as Escrituras para permitirem que a graça realize uma obra completa em sua vida.

Veja também:


4 comentários:

Leandro Sardim disse...

Olá, sempre leio os textos do Blog e essa é a primeira vez que escrevo um comentário!
Se eu tivesse que escrever um texto sobre a Graça, eu escreveria praticamente da mesma forma que você escreveu, porém a minha surpresa foi o fato de dizer que o Adventista peca por pensar como "Evangélico"! Eu não sou adventista e desde que eu sou criança aprendi na igreja exatamente o que você falou sobre a Graça! Não é um privilégio adventista ter ensinamentos corretos, basta a interpretação correta da Palavra de Deus para chegar a essa conclusão! O problema atual é justamente esse, as pessoas não buscam a vedade acreditando piamente nos "pastores" que estão nos púlpitos espalhados por aí pregando absurdos!
Por favor, não coloque no mesmo balaio os que não são adventistas!
abraços
Leandro

douglas reis disse...

Leandro Sardim,

de fato, eu lhe devo desculpas. Embora meu objetivo fosse apresentar uma caracterização geral, sem entrar em diferentes correntes teológicas, você está certo: nem todos os evangélicos pensam igual.

E louvo a Deus porque a Bíblia não é patrimônio dos adventistas e as verdades que defendemos podem ser facilmente conhecidas por aqueles que estudam o livro santo guiados pelo Espírito de Deus.

Que o Senhor abençoe sua vida. E sinta-se bem-vindo quando quiser comentar. É uma honra tê-lo como leitor.

Um forte abraço.

Douglas

Just Me. disse...

Douglas, bom dia.

Eu conheço um pouco do autor mencionado, afinal, sua descrição foi inequívoca.

Eu concordo com o seu texto, a respeito da forma como a graça de Deus é encarada desvinculada do seu poder transformador. Entretanto, me surgem algumas perguntas...

A experiência da graça de Deus exige necessariamente uma não reincidência no pecado cuja sujeira foi limpa por essa mesma graça? Quer dizer que a visão de Manning a respeito da graça é dispensável puramente por conta de ele ter caído novamente?

Pensar isso, mesmo não tendo sido a sua intenção de expressão, se for o caso, não seria um reducionismo do perfeccionismo?

Não sei, não lembro de ter visto o Manning justificando-se por suas quedas, mas sempre as expondo na sua imundícia mais pura, não como um erro racionalizado, um pecado "liberado" pela graça, mas uma falha cometida por um ser humano que carece de graça em sua existência, mas que pode ter certeza da salvação através da fé de Cristo, enquanto luta com o Seu poder para vencer o mal.

Poderia discorrer melhor sobre isso?

douglas reis disse...

Respondendo ao Just Me:

O perfeccionismo sugere a auto salvação. O evangelicalismo desvincula salvação de estilo de vida. Há um equilíbrio e se chama adventismo. Ele revela que a salvação inclui o estilo de vida, não como causa, mas como efeito (santificação, a qual é operada pela graça de Jesus). Sobre Brennan Manning, há várias afirmações dele (sobretudo em seu conhecido O Evangelho Maltrapilho) que deixam a entrever que o pecado nos aproxima de Deus, pois gera a necessidade de um Salvador. Além disso, em sua biografia, ao se assumir como um pecador (o que todos de fato somos!), ele justifica sua vida errática. Parece-se com o indivíduo que há anos estudou a Bíblia comigo, mas se batizou em uma igreja neo-pentecostal. Ao visitá-lo, percebia que ele ainda bebia álcool. Ele se justificou dizendo que uma hora ou outra, Deus faria a obra! Enquanto isso, ele continuaria bebendo, despreocupadamente. Sem comentários...